Pedra do Baú se torna monumento natural do interior de SP
Pick-upau participou do processo de aprovação do monumento

Após três anos de estudos e análises, o governador Alberto Goldman assinou o decreto de criação do Monumento Natural da Pedra do Baú, localizado em São Bento do Sapucaí, 164 km de São Paulo.

A solenidade contou com a presença do secretário estadual do meio ambiente, Pedro Ubiratan Escorel de Azevedo e do prefeito de São Bento do Sapucaí, Ildefonso Mendes Neto.

Divulgação/José Jorge /SMA-SP

A área de 3.154 hectares é o segundo monumento natural de São Paulo e será administrada pela Fundação para a Conservação e a Produção Florestal do Estado de São Paulo – FF, vinculada à Secretaria do Meio Ambiente – SMA. O primeiro monumento natural é a Pedra Grande do Parque Estadual da Cantareira.

O objetivo da criação do Monumento Natural Estadual da Pedra do Baú é proteger a biodiversidade, os recursos hídricos, a paisagem local, sua relevância geológica e beleza cênica e por ser considerado marco cultural e histórico. Outro objetivo é organizar a visitação turística e o uso esportivo do complexo rochoso buscando garantir a segurança do ambiente natural e dos usuários.

Divulgação/José Jorge /SMA-SP

De acordo com a prefeitura, estima-se que 1,5 mil pessoas visitam a pedra nos fins de semana. O prefeito da cidade Ildefonso Mendes Neto diz que ”Não vai ter ocupação desordenada, não vai se destruir a natureza no entorno. E não vai destruir esse cenário que é uma das belezas cênicas mais bonitas do estado e do Brasil”.

Para a realização, o processo se baseou em um suporte especializado, com justificativa técnica, elaboração de mapas e consultoria, audiência pública em São bento do Sapucaí e aprovação do projeto por parte do Conselho estadual de Meio Ambiente – CONSEMA.

Divulgação/José Jorge /SMA-SP

A gestão para conservação da área é repartida entra FF e a Prefeitura, num convênio de R$ 300 mil já em operação. “O monumento natural tem como objetivo básico preservar sítios naturais raros, singulares ou de grande beleza cênica. Nós em São Bento do Sapucaí temos todo o interesse nessa criação e principalmente na sua preservação, conservação e organização de uso público”, afirmou o prefeito.

A SP-042, que liga São Paulo a São Bento do Sapucaí e ao Sul de Minas Gerais, será construída nos próximos meses, fato que facilitará a chegada ao Monumento.

O monumento pode ser visto de todos os cantos da cidade. Ela (a pedra) era entendida como Unidade de Conservação de uso sustentável. No local era permitida a exploração com um devido controle. Porém com a assinatura do decreto o lugar passou a possuir restrições mais severas.

José Amaral Wagner Neto, diretor da Fundação Florestal, diz que será criado um plano de manejo, a fim de melhorar o turismo regional. “Isso envolve estudos técnicos, e depois reuniões para discussão do zoneamento do monumento, dos programas de uso, do que vai ser mais restritivo, especialmente na visitação pública da pedra”.

“Medidas como a criação dessa unidade provam que o meio ambiente não cria problemas, mas facilita o desenvolvimento, respeitando as vocações de cada lugar e a proteção ambiental, garantindo um desenvolvimento econômico sustentável e equilibrado. O Monumento Natural garantirá desenvolvimento do turismo com melhor qualidade e a participação efetiva do estado, município e da população local”, completou o governador Alberto Goldman.

Pedro Ubiratan, secretário do meio ambiente, destacou que “O Complexo da Pedra do Baú, desde longa data, vem despertando o interesse de pessoas ligadas à natureza, seja pelo aspecto turístico ou pelo aspecto da preservação de mananciais. Além de todas as riquezas naturais que precisamos preservar, o local é privilegiado para a prática de montanhismo e figurando entre os principais pontos de escalada no Brasil”.

A Pedra do Baú foi batizada pelos primeiros habitantes de Embahú, que significa “ponto de vigia” em tupi-guarani, e depois os tropeiros e caboclos da região chamavam-na de Canastra, um baú grande de guardar pertences.

O Monumento Natural da Pedra do Baú esta localizado em duas Áreas de Proteção Ambiental – APAs, a da Serra da Mantiqueira, federal, e a de São Bento do Sapucaí, estadual. Localizada a mais ou menos 12 quilômetros da sede do município de São Bento do Sapucaí.

O monumento está protegido por matas nativas e sua massa granítica mede 340 metros de altura, 540 metros de comprimento com larguras variáveis e atinge 1.950 metros de altitude. Em 1940, pela primeira vez, dois irmãos, Antônio e João Cortez, com equipamentos rudimentares escalaram a pedra.

Hoje em dia o acesso ao cume foi facilitado com a instalação de duas escadarias de grampos tornando desnecessário conhecer técnicas de escalada para subir. No meio do caminho ainda se pode avistar vestígios de um dos primeiros abrigos de montanha do Brasil, construído pelos irmãos Cortez, com a ajuda do empresário Luiz Dummont Villares e moradores da região.

Para Andrea Nascimento, presidente do Pick-upau e membro do Consema, a aprovação e a regulamentação da Pedra do Baú foi uma ação muito importante para a preservação ambiental na região. “Creio que o caminho do Poder Público seja esse, a criação de novas Unidades de Conservação e o mais rápido possível. E isso também depende do andamento dos trabalhos do próprio Consema. Acho que teremos outras boas notícias como essa em 2011.”

A Pedra do Baú constitui um dos locais mais procurados para passeio entre os turistas freqüentadores dos municípios e Campos do Jordão São Bento do Sapucaí. O acesso ao Complexo do Baú, a partir dessas duas cidades ficou facilitado com a construção de uma estrada asfaltada que interliga os dois municípios. O acesso ao estacionamento localizado junto ao Bauzinho, de onde partem algumas trilhas de acesso às montanhas do Complexo é realizado por estrada não pavimentada com 6 km de extensão.

O Complexo do Baú conta com 30 rotas para montanhistas que dominam as técnicas de escalada em rocha, o que o torna um dos mais importantes locais para a prática deste esporte no Brasil. Estas rotas são dos mais variados graus de dificuldade técnica, e variam também no seu tamanho, de 10 a 300 metros.

Da Redação
Colaboração: Lukas Campagna/SMA-SP
Fotos: José Jorge /SMA-SP

 
 
Copyright 2011 - Pick-upau - Todos os direitos reservados - São Paulo - Brasil
     
 

Nas Redes

Agência Ambiental Pick-upau
Quem Somos
  Pesquisa Científica
Reflorestamento e Produção Florestal
corporativo@pick-upau.org.br Mitigação de Mudanças Climáticas
55 11 3571-3480 CECFLORA - Centro de Estudos e Conservação da Flora
São Paulo - SP Negócios Sustentáveis
  Publicações
  Acervo Técnico
  Central de Educação e Jornalismo Ambiental