Patrocínio
 


 

Aves, aeroportos e os desafios de conservação e segurança
Mynas-comuns soaram o alarme no aeroporto de Darwin, na Austrália

17/05/2021 – Aeroportos de todo mundo têm que lidar com a aparição e permanência de aves. Nesses locais as aves são um grande perigo para acidentes graves. Normalmente as aves de porte maior, como urubus são visitantes mais comuns, mas o aeroporto de Darwin, na Austrália, recebeu uma visita bem menos corriqueira o myna-comum ou myna-indiano, uma espécie exótica, originária da Índia que foi introduzida naquele país.

"Os alarmes começaram a soar. Eventualmente, eu via um par deles e fiquei muito preocupado. Acho que isso se tornaria um problema muito sério se eles se reproduzissem", disse Linus Ninham, funcionário do aeroporto, ao ABC.

Com o objetivo de controlar pragas, os mynas-comuns (Acridotheres tristis) foram introduzidos na Austrália em 1862, e se estabeleceram no leste e oeste do país, mas como em outras iniciativas de introdução de espécies, os resultados não foram os esperados. A espécie teve um grande impacto em outras aves nativas e afetou também a agricultura e até jardins.


Reprodução/Maxpixel

 



Ninham tem formação em ciências aplicadas e gestão de recursos naturais o que facilitou o trabalho de identificação da espécie e de seu ninho sob uma das aerobombas. A observação, ocorrida em novembro, foi confirmada pela NT Parks and Wildlife, depois foram registrados mais seis avistamentos de dois indivíduos. Especialistas acreditam os indivíduos tenham chegado ao local em um avião ou navio container.

Segundo conservacionistas, o myna-comum é considerado uma das aves mais invasivas do mundo, é agressivo e tem como característica tomar de assalto ninhos de outras espécies, chegando inclusive a matar os inquilinos e seus filhotes.

"Eles estiveram em posições muito desafiadoras e ambientes muito barulhentos perto de aeronaves e no topo de postes de luz de 30 metros, então tem sido um verdadeiro desafio tentar gerenciar essas pragas", disse Nick Fewster, gerente de sustentabilidade ambiental do aeroporto.

A administração do aeroporto agora tenta atrair as aves com comida e água, com uso de sedativos. Uso de armas de fogo foi descartado. Mas o myna é uma espécie muito esperta e a equipe de manutenção tem tido muito trabalho e pouco resultado. Administrar a vida selvagem é uma atividade comum em muitos aeroportos pelo mundo, inclusive no Darwin. Morcegos, gansos e maçaricos são as espécies mais comuns no local.


Reprodução/Maxpixel

 



“Nós recomendaríamos opções mais humanas e não letais, como dissuasores de ruído, que têm sido usados em outros aeroportos. As iscas venenosas geralmente não são adequadas e podem representar um risco para outras espécies, e atirar é relativamente ineficaz quando novas aves entram no território”, disse Di Evans, oficial científico sênior da RSPCA Austrália, ao ABC.

Criado em 2015, dentro do setor de pesquisa da Agência Ambiental Pick-upau, a Plataforma Darwin, o Projeto Aves realiza atividades voltadas ao estudo e conservação desses animais. Pesquisas científicas como levantamentos quantitativos e qualitativos, pesquisas sobre frugivoria e dispersão de sementes, polinização de flores, são publicadas na Darwin Society Magazine; produção e plantio de espécies vegetais, além de atividades socioambientais com crianças, jovens e adultos, sobre a importância em atuar na conservação das aves.

Da Redação, com informações da ABC e de agências internacionais
Fotos: Reprodução/Maxpixel

 
 
 
 
Copyright 2021 - Pick-upau - Todos os direitos reservados - São Paulo - Brasil
 
     
   

 

     
Patrocínio    
     
     
     
 

Nas Redes

Quem Somos
  Pesquisa Científica
Reflorestamento e Produção Florestal
corporativo@pick-upau.org.br Mitigação de Mudanças Climáticas
55 11 3571-3480 CECFLORA - Centro de Estudos e Conservação da Flora
São Paulo - SP Negócios Sustentáveis
  Publicações
  Acervo Técnico
  Central de Educação e Jornalismo Ambiental