Patrocínio
 


 

Quanto mais inteligente a ave, mais estimulação mental ela precisa em cativeiro, diz estudo
Pesquisadores descobriram que aves inteligentes têm necessidades únicas de bem-estar em cativeiros

21/10/2021 – Comunicado de Imprensa – Essas descobertas podem se aplicar a outros animais em cativeiro, incluindo grandes macacos, elefantes e baleias, disse a chefe do grupo de pesquisa, Dra. Georgia Mason, diretora do Campbell Center for the Study of Animal Welfare da University of Guelph.

“Este estudo fornece a primeira evidência empírica de que animais inteligentes podem lutar em cativeiro”, disse o Dr. Mason, professor do Departamento de Biologia Integrativa.

"Nossas descobertas podem ajudar os donos de animais de estimação a identificar quais espécies podem ser mais difíceis de cuidar, por causa de seus requisitos de bem-estar", acrescentou uma das autoras principais, Dra. Emma Mellor, da Escola de Ciências Biológicas da Universidade de Bristol.

O estudo, também conduzido por outros pesquisadores da Universidade de Bristol e da Universidade de Utrecht, na Holanda, revelou pela primeira vez que esse problema pode, em particular, impedir o confinamento de psitacídeos de cérebro grande.

Publicado recentemente no Proceedings of the Royal Society B, o estudo destaca a estimulação cognitiva e os alimentos que requerem um manuseio físico mais complicado como formas de melhorar o cuidado das aves.

Reprodução/Maxpixel

 



Os pesquisadores examinaram duas fontes principais de dados. Uma delas foi uma pesquisa do início da década de 1990, sobre o sucesso da reprodução em cativeiro envolvendo mais de 30.000 aves nos Estados Unidos. A equipe também fez uma pesquisa online envolvendo quase 1.400 papagaios de estimação, em 50 espécies para comportamento estereotipado: atividade anormal repetitiva, como morder as barras da gaiola, mastigar ou mesmo arrancar penas, e balançar, saltar ou andar de um lado para o outro em gaiolas.

Eles analisaram as condições de moradia, as relações entre o tamanho do cérebro e o peso corporal - um marcador para a inteligência -, dietas e outros fatores, e usaram uma forma de análise que permite aos biólogos evolucionistas descobrir características herdadas que predispõem as espécies ao risco.

Eles descobriram que as espécies cuja dieta natural envolve nozes, sementes e insetos de pelo duro eram mais propensas a arrancar, mastigar ou mesmo comer suas penas. Espécies de papagaios com cérebros relativamente grandes correram mais risco de todas as outras formas de comportamento estereotípico.

Essa descoberta sugere que os proprietários precisam garantir dietas naturalistas, em vez de fornecer alimentos processados para aves de estimação. Os papagaios selvagens normalmente gastam 40 a 75 por cento de seu tempo ativo forrageando.

“Os papagaios podem ter necessidades evoluídas de triturar e manipular com seus bicos - mesmo quando sua comida já está pronta, processada e apresentada em uma tigela. Ou podem precisar de nutrientes específicos presentes nas dietas naturais. Não sabemos qual é o mais importante para os pássaros de depenar penas. Portanto, o ideal é que os proprietários forneçam alimentos naturalistas, intactos, para que os papagaios realmente tenham que entrar e fazer a busca extrativa como fazem na natureza”, disse o Dr. Mason.

Calopsitas, periquitos jandaias e amazonas-do-mato-amarelo, por exemplo, normalmente prosperam em ambientes domésticos. Mas papagaios de cérebro relativamente grande, como periquitos-nanday, periquitos-monge e algumas cacatuas sofrem mais problemas psicológicos de bem-estar. “Essas espécies inteligentes também são mais invasivas”, acrescentou o Dr. Mason, “que é outra razão para tratá-las com cuidado extra”.

A maioria dos papagaios é altamente social, mas muitas vezes são alojados sozinhos e, às vezes, em condições monótonas e previsíveis.

“Algumas espécies parecem se adaptar bem ao cativeiro, mas talvez algumas não devam ser mantidas a menos que você tenha muito tempo e criatividade”, explicou o Dr. Mason.

Ela exortou os proprietários a fornecer mais estímulos aos pássaros, incluindo aviários mais naturalistas, juntamente com quebra-cabeças e outros itens de enriquecimento.

Ela disse: “Bons cuidadores de papagaios já estão fazendo isso. Mas se você é novo com psitacídeos, escolha uma espécie com probabilidade de prosperar. Não escolha papagaios que não sejam adequados para o seu lugar e estilo de vida.”

Cerca de metade dos 100 milhões de papagaios do mundo vivem em cativeiro, a maioria como animais de estimação em casas particulares. Na natureza, mais de 40 por cento das espécies estão ameaçadas ou quase ameaçadas. “É muito importante do ponto de vista da conservação ter um bom bem-estar dos psitacídeos.”

Estudo
'A natureza chama: inteligência e estilo natural de coleta predizem problemas de bem-estar em psitacídeos em cativeiro ' pela Dra. Emma Mellor, Dra. Georgia Mason, e outros em Proceedings of the Royal Society B.

Criado em 2015, dentro do setor de pesquisa da Agência Ambiental Pick-upau, a Plataforma Darwin, o Projeto Aves realiza atividades voltadas ao estudo e conservação desses animais. Pesquisas científicas como levantamentos quantitativos e qualitativos, pesquisas sobre frugivoria e dispersão de sementes, polinização de flores, são publicadas na Darwin Society Magazine; produção e plantio de espécies vegetais, além de atividades socioambientais com crianças, jovens e adultos, sobre a importância em atuar na conservação das aves.

Da Redação, com informações da Universidade de Bristol
Fotos: Reprodução/Maxpixel

 
 
 
 
Copyright 2021 - Pick-upau - Todos os direitos reservados - São Paulo - Brasil
 
     
   

 

     
Patrocínio    
     
     
     
 

Nas Redes

Quem Somos
  Pesquisa Científica
Reflorestamento e Produção Florestal
corporativo@pick-upau.org.br Mitigação de Mudanças Climáticas
55 11 3571-3480 CECFLORA - Centro de Estudos e Conservação da Flora
São Paulo - SP Negócios Sustentáveis
  Publicações
  Acervo Técnico
  Central de Educação e Jornalismo Ambiental