A poluição por plástico tornou-se uma das questões ambientais mais urgentes do planeta.
Veja o que mundo está fazendo para mudar esse cenário.

 

 
 
 
 

As nações africanas têm o poder e as ferramentas para redesenhar um futuro livre de poluição plástica

Um continente conectado com ações socioambientais

 
 

03/07/2023 – Da UNEP – Em todo o mundo, cidades, oceanos e paisagens estão entupidos de lixo plástico, criando riscos para a saúde humana, ameaçando a biodiversidade e desestabilizando o clima. É por isso que, no Dia Mundial do Meio Ambiente deste ano, o Programa Ambiental da ONU está pedindo a todos que façam o que puderem para acabar com a poluição plástica.

O mundo produz cerca de 430 milhões de toneladas métricas de plástico por ano e está aumentando. Os sistemas de reciclagem não dão conta desse volume; as taxas de reciclagem estão abaixo de 10 por cento. Não podemos esperar reciclar nossa saída desta crise. Precisamos de um redesenho completo de como usamos, produzimos, reciclamos e descartamos os plásticos – um redesenho que começa com a eliminação do máximo possível de plástico e produtos químicos nocivos associados de produtos e embalagens.

Esse redesenho começou no ano passado na Assembleia Ambiental da ONU em Nairóbi, quando as nações concordaram em iniciar negociações sobre um acordo juridicamente vinculativo para acabar com a poluição plástica. A segunda rodada de negociações sobre este acordo acaba de terminar, definindo o mandato para o rascunho zero do acordo a ser negociado na sede do Programa Ambiental da ONU em Nairóbi ainda este ano.

O Quênia e o resto do continente africano terão um papel crucial a desempenhar neste acordo – até porque este acordo nasceu no Quênia. Até porque é nas nações africanas e em outros países em desenvolvimento que os desafios da injustiça da poluição plástica se desenrolam. Isso é visível nas Dandoras do continente, onde os trabalhadores informais do lixo arriscam sua saúde para ganhar a vida.

A forte presença do Grupo Africano de Negociadores no processo de negociação sinalizou o compromisso da África em acabar com a poluição plástica. As nações africanas podem gerar ambição no acordo, o que significa focar as mentes de todos no redesenho. Redesenhar produtos para usar menos plástico – particularmente plásticos desnecessários e problemáticos. Redesenhar embalagens de produtos para usar menos plástico. Redesenhar sistemas e produtos para reutilização, recarga e reciclabilidade – para que, por exemplo, o polímero reciclado se torne uma mercadoria mais valiosa do que o polímero bruto. Redesenhar o sistema mais amplo de justiça – para que grupos como trabalhadores do setor informal de lixo recebam empregos decentes e um ambiente limpo.

Maxpixel/Reprodução

 



Ambição significa melhorar as baixas taxas de coleta de lixo da África. Significa investir em infraestrutura de reciclagem e gerenciamento de resíduos para lidar com os plásticos que não podem ser descartados ou reutilizados. Ambição significa abordar o legado da poluição plástica em nossos oceanos que continua a chegar às costas dos países africanos. A ambição também deve significar solidariedade, para que os países em desenvolvimento tenham os recursos financeiros necessários.

As nações africanas também podem gerar ambição compartilhando seus conhecimentos. Centenas de milhões de africanos já fazem muitas das coisas certas em suas vidas diárias. As pessoas reutilizam e consertam produtos – um estilo de vida e uma cultura que devem ser reaprendidos em outros lugares, onde o consumismo “pegar-fazer-usar-jogar” se tornou dominante. Em toda a África, vemos iniciativas criativas: como em Ruanda, onde o governo apoiou fábricas locais a produzir bambu e materiais à base de papel após a proibição de sacolas plásticas descartáveis.

Esses são os tipos de iniciativas que permitirão que as nações africanas se concentrem em um futuro sem plásticos – sendo pioneiras em soluções inovadoras de fabricação, embalagem e design da mesma forma que o Quênia foi pioneiro no dinheiro móvel. Os governos africanos podem conduzir a transformação necessária, nacional e globalmente, compartilhando essas práticas – e garantindo que a legislação promova novos modelos de negócios, em vez de retroceder para a produção de plástico de uso único. A fiscalização também é importante e é ótimo ver a Autoridade Nacional de Gestão Ambiental do Quênia agir contra os plásticos ilegais descartáveis.

O Dia Mundial do Meio Ambiente de 2023 é um momento para o Quênia, a África e o mundo inteiro se mobilizarem e se comprometerem com uma ação mais forte. Os governos devem fazer um acordo forte para acabar com a poluição plástica. A indústria e o setor privado devem inovar para afastar seus modelos de negócios dos plásticos. Os consumidores podem reduzir a demanda recusando o plástico quando possível. A ação dirigida pela comunidade pode exercer pressão usando suas vozes para criar um bom barulho.


Agir para acabar com a poluição plástica é uma grande oportunidade. Se agirmos com unidade de propósito, podemos praticamente eliminar a poluição plástica até 2040; reduzir os custos sociais, ambientais e de saúde humana; criar centenas de milhares de novos empregos, principalmente em países em desenvolvimento; e abrir novos mercados e oportunidades de negócios.

Todos ganham, desde que asseguremos uma transição justa para os países em desenvolvimento e grupos como os trabalhadores do setor informal de resíduos. Por isso, no Dia Mundial do Meio Ambiente, convido todos a se juntarem ao movimento global e vencerem a poluição plástica de uma vez por todas.


Inger Andersen é Diretora Executiva do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA). Opinião: Ação Contra Produtos Químicos e Poluição. Esta opinião apareceu pela primeira vez em The Nation Africa. Fonte: UNEP.

Veja o artigo original.

Da UNEP
Fotos: Reprodução/Maxpixel

 
 
 
     
     
PARTICIPE    
 
ENVOLVA-SE   TOME UMA ATITUDE
O movimento Plastic no Thanks incentiva empresas, organizações, governos e sociedade civil a trabalhar para um mundo sem poluição plástica.   Precisamos agir e para isso teremos que unir esforços. O movimento Plastic no Thanks é uma ação que trabalha para livrar o planeta do lixo plástico.
     
     
 
 
 
   
UNIDOS PODEMOS
FAZER MUITO MAIS E MELHOR
O Plastic no Thanks espera que sua Empresa integre nosso movimento para reduzir e eliminar o lixo plástico do planeta. Cadastre sua Empresa e faça parte desta iniciativa.

 
 
 
     
     
COMECE AGORA    
 
VOCÊ FAZ A DIFERENÇA   SUAS ATITUDES
Conheça os signatários do movimento Plastic no Thanks. Junte-se a iniciativa.   Conte sua história! Fale para a agente o que você faz para reduzir o comsumo de plástico.
     
     
 
 
 
   
SOBRE O MOVIMENTO
PLASTIC NO THANKS
O Plastic no Thanks é um movimento que trabalha para eliminar ou ao menos reduzir a poluição de plástico no planeta, sobretudo aqueles de uso único, como embalagens e peças descartáveis, como copos e canudos.

 
 
 
 
     
     
PLASTIC NO THANKS CONHEÇA + PROJETOS
SIGA-NOS
 

 

 
 
Quem Somos
Signatários Programa de Compliance
Tome uma atitude Negócios Sustentáveis
Envolva-se Projeto Aves
Alianças Rede de Sementes e Mudas
Notícias Pesquisa Científica
Iniciativas Reflorestamento e Produção Florestal
Doar Mitigação de Mudanças Climáticas
FAQ Publicações
Contato Acervo Técnico
  Central de Educação e Jornalismo Ambiental
  Centro de Estudos e Conservação da Flora
  Muda no Mundo
  Eu Oceano  
 
Todos os direitos reservados. Plastic no Thanks 2021 - 2023. Agência Ambiental Pick-upau 1999 - 2023.